Resenhas

[Resenha] Laranja Mecânica, Anthony Burgess

Olá leitores!

A resenha de hoje é sobre um clássico da literatura mundial. Estou certa de que você já ouviu falar de Laranja Mecânica alguma vez na vida. Hoje você vai conhecer um pouco mais deste livro horrorshow, lançado em 1962.


Sinopse

IMG_20160403_150923.jpgNarrada pelo protagonista, o adolescente Alex, esta brilhante e perturbadora história cria uma sociedade futurista em que a violência atinge proporções gigantescas e provoca uma reposta igualmente agressiva de um governo totalitário. A estranha linguagem utilizada por Alex – soberbamente engendrada pelo autor – empresta uma dimensão quase lírica ao texto. Ao lado de “1984”, de George Orwell, e “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley, “Laranja Mecânica” é um dos ícones literários da alienação pós-industrial que caracterizou o século XX. Adaptado com maestria para o cinema em 1972 por Stanley Kubrick, é uma obra marcante: depois da sua leitura, você jamais será o mesmo.


Recheado de violência e questionamentos, Laranja Mecânica conta a impressionante história de Alex, jovem líder de uma gangue de adolescentes, cuja diversão é cometer perversidades e atos de violência pelas ruas de uma metrópole decadente. Fazendo uso de uma peculiar linguagem chamada nadsat, mescla de gírias de gangues inglesas e palavras russas, o narrador conta como ele, depois de seus atos delinquentes terem ido longe demais, acaba preso pelo governo e submetido a um método experimental de recondicionamento de mentes criminosas.

Quem visita o blog com frequência, sabe que gosto muito de distopias clássicas. Algumas não me conquistaram, como “Admirável Mundo Novo”. No começo, pensei que não iria gostar de Laranja Mecânica. Depois de algumas páginas o livro conseguiu realmente me prender à leitura.

Preciso alertar a vocês que no começo da leitura é provável que haja um certo “estranhamento” como aconteceu comigo. Laranja Mecânica foi escrito de uma forma singular a outros livros que já li. Sua linguagem “nadsat” foi criada pelo próprio autor e retrata uma espécie de vocabulário de gírias usadas pelos adolescentes da época em que se passa o livro. Portanto, é normal sentir uma certa dificuldade no começo da leitura. Depois que o leitor se habitua ao “nadsat” a leitura flui muito rapidamente.

457a37fd3ff3953814d3cd1a7b3a7104Algumas Palavras nadsat:

 

Bog = Deus                                           nadsat = adolescente

Câncer = cigarro                                 pê/eme = pai/mãe

drugui = amigo                                   robotar = trabalhar

glupi= burro, imbecil                         tia pecúnia = dinheiro

horrorshow = ótimo, legal               miliquinha = policial

maltchik, maltchikvik = goroto                                        

vinte-contra-um = estupro coletivo

A edição que comprei vem com um Glossário no final, onde você pode encontrar o significado das gírias usadas pelo Alex. Tentei ao máximo não consultar este glossário, tentando aprender o significado das palavras à medida que a leitura ocorria e recomento a todos fazerem o mesmo, desta forma a leitura fica mais divertida.

“Sim sim sim, era isso. A juventude precisa acabar, ah sim. Mas a juventude é apenas quando nos comportamos tipo assim como animais. Não, não é bem tipo assim ser um animal, mas ser um daqueles brinquedos malenks que você videia sendo vendidos nas ruas, como pequenos tcheloveks feitos de lata e com uma mola dentro e uma chave de corda do lado de fora e você dá corda nele e grrr grrr grr e ele vai itiando, tipo assim andando, Ó, meus irmãos. Mas ele itia numa linha reta e bate direto em coisas bang bang e não pode evitar 0 que está fazendo. Ser jovem é como ser uma dessas máquinas malenks.”

Malenks = pequeno;

Videar = observar;

Tcheloveks = sujeito;

itiar= ir, andar.

Preciso alertá-los também que é um livro recheado de violência. Se você é muito sensível ou emocional ao ler, provavelmente levará um baque com Laranja Mecânica. Creio que toda essa violência, juntamente com a forma ímpar de sua narrativa, constituem o sucesso desta obra. As reflexões atemporais sobre o poder do Estado na vida das pessoas, a violência e a liberdade também contribuem para tal sucesso.

giphy.gif
Cenas do Filme Laranja Mecânica

“Mas eu não conseguia deixar de me sentir um pouquinho decepcionado com as coisas do jeito que eram naquela época. Nada contra o que lutar de verdade. Tudo era fácil como tirar doce de criança. Mas a noite ainda era mesmo um criança.”

O autor também soube conduzir muito bem a narrativa. Do horror e da violência à (suposta) recuperação de um criminoso, com métodos um tanto quanto não ortodoxos, nos fazem refletir sobre o que é correto e o que não é.

Devemos combater a violência com a própria violência?

Como seria se nos tornássemos prisioneiros de nossa própria mente?

“A tentativa de impor ao homem, uma criatura evoluída e capaz de atitudes doces, que escorra suculento pelos lábios barbados de Deus no fim, afirmo que a tentativa de impor leis e condições que são apropriadas a uma criação mecânica,contra isto eu levanto minha caneta-espada”

IMG_20160324_123310873.jpg

 “Eles transformaram você em alguma coisa que não um ser humano. Você não tem mais o poder da decisão. Você está comprometido com atos socialmente aceitáveis, uma maquininha capaz de fazer somente o bem. E vejo isso claramente: essa questão sobre os condicionamentos de marginais. Música e o ato sexual, literatura e arte, tudo agora deve ser uma fonte de não prazer, mas de dor.”

Reflita sobre isso lendo Laranja Mecânica!


O Autor

download.jpgEscritor, poeta, dramaturgo, compositor, linguista, tradutor e crítico, Anthony Burgess nasceu em Manchester, Inglaterra, em 1917. Formou-se em Literatura Inglesa pela Universidade de Manchester, serviu no Exército e, entre 1954 e 1960, trabalhou como professor junto ao Serviço Colonial britânico na Malásia. Ao retornar à terra natal, encontrou-a repleta de gangues violentas, as quais extrapolou para criar sua obra mais famosa. Laranja Mecânica foi concebido em 1962, época em que o autor, com um tumor no cérebro, estava desenganado pelos médicos e passou a escrever para garantir o sustento da esposa após a sua morte. Mas o diagnóstico estava errado e o autor viveu até os 76 anos.

Ao morrer em 1993, ele deixou uma grande obra em quantidade e qualidade, entre romances, biografias, peças de teatro (chegou até a escrever uma adaptação musical de Laranja Mecânica), estudos literários e roteiros de cinema e TV.


FICHA TÉCNICA

Título: Laranja Mecânica ( A Clockwork Orange)

Autor: Anthony Burgess

ISBN: 978-85-7657-003-5

Editora: Aleph

Ano: 1962

Número de páginas: 191

Área principal: Ficção

Classificação: 5 estrelas

Espero que tenham gostado da resenha!

Até mais,

beijos

Anúncios

16 comentários em “[Resenha] Laranja Mecânica, Anthony Burgess

  1. Oi Jessica,
    Eu ja tinha ouvido falar do livro, mas por não gostar de violência resolvi não ler. Nunca me chamou atenção livros assim, apesar de amar distopias. Creio que se eu chegar a comprar seria apenas pela capa, que acho LINDA. Mas não tenho curiosidade de ler não 😕
    Beijinhos da Fran 😘

    Curtido por 1 pessoa

  2. Olá!
    Tenho muita vontade de ler este livro. Assisti o filme quando pequena, por volta dos meus 13 anos. Era censurado na época, mas em casa com irmãos não tinha censura. rsrsrs
    Gostei muito e me choquei muito com a violência (taí o motivo da censura)
    Hoje, penso que teria outra visão, e veria tudo como uma obra-prima.
    Um dia quem sabe, compro o livro.
    Abs
    Ni
    Cia do Leitor

    Curtido por 1 pessoa

  3. Laranja mecânica é uma obra fantástica. Tbm amo distopias [as clássicas] e a experiência com Burgess foi incrível… essa edição é muito bonita, tenho a antiga e a de 50 anos… 😀
    pretendo reler qualquer dia desses…
    bjs…

    Curtir

  4. Eu gostei de Admirável mundo novo, mas preciso ler de novo.
    Eu tenho certo medo do livro não me conquistar sabe? Eu quero muito lê-o e assistir o filme, mas a questão pra mim não é nem a violência em si, mas o medo de não conseguir prosseguir com a leitura. Mas agora fiquei sabendo algumas coisas a mais, tipo o nadsat e que o livro é narrado por um jovem. Fiquei mais preparada depois da sua resenha 🙂
    bjs, bjs

    Curtir

  5. Oie lindona, tudo bom? Eu não li o livro, mas já assisti o filme que ´por sinal é muito bom e um clássico neh? Mas sou doida para ler o livro, mas fico um pouco receosa justamente por causa da linguagem! Mas um dia ainda vou tentar embarcar nas páginas desse livro!
    bjs

    Curtir

  6. Meu primeiro contato com Laranja Mecânica foi com o filme, me lembro de ter ficado chocada com todo o enredo. Violência é algo que me assusta, pessoas más me dão muito mais medo do que fantasmas. Seguir a história com Alex foi muito estranho, somos totalmente diferentes, mas sentir o que ele sentia e entender seus pensamentos foi o melhor caminho para não julgar levianamente. A dor que ele causava e logo depois a que ele sentia, saber que devemos odiar o personagem, mas ao mesmo tempo perceber que ele também é digno de pena. Entender que em algum lugar do caminho ele se tornou joguete de um governo que “na melhor das intenções” terminou com qualquer possibilidade que ele poderia ter tido de ser normal. Apesar de eu achar que ele não teria volta como um ser humano normal não achei certo negar a chance para ele, é tão cruel quanto o que ele era/é.
    Adorei a sua resenha ❤ e esse livro é com certeza horroshow.
    http://www.euinsisto.com.br

    Curtido por 1 pessoa

  7. Oi ^^

    Eu tenho uma certa resistência em relação a este livro.
    Já vi tanta gente dizendo que é um pouco confuso, que o vocabulário é muito diferente e eu fico com medo de não dar conta 😦

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s