Resenhas

Resenha: “O Apanhador no Campo de Centeio”, J. D. Salinger

Hoje  não vim aqui escrever essa resenha para te convencer que esse livro é bom e que você deve lê-lo. Mas também não quero te influenciar e te dizer para nunca fazer isso só porque tenho uma opinião negativa. Para um livro ser considerado um clássico, obviamente, muitas pessoas leram e gostaram. Eu não gostei! Doa a quem doer!

Pra quem nunca ouviu falar de “O Apanhador no Campo de Centeio”, saiba que esse é considerado um dos grandes clássicos da literatura americana, vende milhões de cópias até hoje e, além disso, é o livro favorito de muitos malucos por aí (vou contar em mais detalhes…).

Sinopse:

“O Apanhador no Campo de Centeio narra um fim de semana na vida de Holden Caulfield, jovem de 16 anos vindo de uma família abastada de Nova York. Holden, estudante de um reputado internato para rapazes, volta para casa mais cedo no inverno depois de ter recebido más notas em quase todas as matérias e ter sido expulso. No regresso a casa, decide fazer um périplo adiando assim o confronto com a família. Holden vai refletindo sobre a sua curta vida, repassa sua peculiar visão de mundo e tenta definir alguma diretriz para seu futuro. Antes de enfrentar os pais, procura algumas pessoas importantes para si (um professor, uma antiga namorada, a sua irmãzinha) e tenta explicar-lhes a confusão que passa pela sua cabeça. Foi este livro que criou a cultura-jovem, pois na época em que foi escrito, a adolescência era apenas considerada uma passagem entre a juventude e a fase adulta, que não tinha importância. Mas esse livro mostrou o valor da adolescência, mostrando como os adolescentes pensam.”

apanhador-campo-centeio-salinger-3

Eu retirei essa resenha do Skoob e é a resenha considerada como a mais sucinta e objetiva sobre o livro. Pela sinopse você imagina que não é nada de mais, um livro “normal”. Mas não é!

Primeiramente, esse livro não mostrou “como os adolescentes pensam”. Só se todos os adolescentes do mundo são complexados e sofrem de depressão, o que não é o caso. Holden é um garoto legal! Confesso que ele tem opinião e é um garoto de atitude, um pouco rebelde e sensível. Porém precisamos encarar a realidade: Holden sofre de depressão!

Durante o livro todo, em diversos momentos ele demonstra sinais claros de depressão e não é preciso ser médico para perceber isso. Quem de repente se sente muito triste, chora por qualquer coisa mínima, sente vontade de se matar por motivos torpes, etc? Com certeza não é um adolescente normal! Além do fato dele achar que todo mundo é canalha, ter vontades muito passageiras (no mesmo segundo que quer algo, já desistiu dela), amar e odiar as pessoas por nada e não ter uma visão definida do próprio futuro, dizendo que a única coisa que se imagina fazendo na vida é ser o apanhador no campo de centeio.

Não sei ao certo se criei expectativas demais e por isso “me estabaquei” com esse livro. Gosto muito de pesquisar sobre o livro antes de começar a lê-lo, principalmente quando se trata de livros antigos, clássicos ou não. É sempre bom começar uma leitura já sabendo pelo menos um pouco o que te espera nas páginas. Principalmente quando se tem um blog e você precisa escrever resenhas de livros que atenham o interesse do leitor.

Na minha opinião, “O Apanhador no Campo de Centeio” é uma prova de que não é só por que o livro é um “clássico” ou porque vendeu muitas cópias que ele é realmente um bom livro. Ele foi bem escrito, possui descrições muito boas sobre os ambientes, você gosta dos personagens e tudo, mas não passa disto.

A única coisa boa sobre esse livro é a escrita do autor. O começo e o fim do livro possuem um tom diferente do que costumamos ver hoje em dia. O fato do Holden não querer falar sobre a família dele e como os pais dele se conheceram, pois não vem ao caso, achei isso bacana!

“Se querem mesmo ouvir o que aconteceu, a primeira coisa que vão querer saber é onde eu nasci, como passei a porcaria da minha infância, o que meus pais faziam antes que eu nascesse, e toda essa lengalenga tipo David Copperfield, mas, para dizer a verdade, não estou com vontade de falar sobre isso. Em primeiro lugar, esse negócio me chateia e, além disso, meus pais teriam um troço se eu contasse qualquer coisa íntima sobre eles.”

Algumas curiosidades…download

☺Existem diversas teorias da conspiração que rondam esse livro. O curioso é que a obra de Salinger foi achada na casa de dois malucos:

Mark Chapman, o assassino de John Lennon, foi encontrado pela polícia quando lia tranquilamente O Apanhador no Campo de Centeio.

– John Hinckley Jr., o homem que atirou no presidente americano Ronald Reagan para supostamente chamar a atenção da atriz Judie Foster, também tinha um exemplar do livro de Salinger no bolso.

☺ Mark David Chapman, disse em seu julgamento que se inspirou no livro para matar John Lennon, se identificando como Holden Caulfield. Ele alega que o matou para preservar a inocência do músico, assim como Holden queria preservar a inocência das crianças no campo de centeio. Embora, muitos constatam que seu motivo principal foi o fato de Lennon ter dito várias coisas consideradas por Chapman como blasfêmia contra Deus, como se declarar mais popular que Jesus.

☺ Teóricos da conspiração acreditam que o romance é um gatilho mental para matadores pré-programados.

☺ O nome do personagem principal é Holden. Que soa muito semelhante à ”hold them” que significa, prendê-los, mantê-los… etc.

☺ Existem vários filmes e músicas inspiradas no livro, tais como “Who wroten Holden Caulfield?” da banda Green Day e “Catcher in the Rye” da banda Guns N’Roses.


Para não dizerem que eu sou influenciadora e tal, convidei num grupo de leitura do Facebook (GRUPO DE LEITURA- O VENDEDOR DE LIVROS), duas pessoas para darem suas opiniões a respeito do livro e mostrar pra vocês que nem sempre as pessoas compartilham da mesma opinião que eu sobre esse livro:

opinião 2

opinião

Bom gente, é isso! Vou dar 2 estrelas porque não me surpreendeu. Espero que tenham gostado da resenha.

E você, já leu o apanhador no campo de centeio? O que você achou? Deixe nos comentários! Quero muito saber sua opinião!

FICHA TÉCNICA

Título: O Apanhador no Campo de Centeio (The Catcher in the Rye)

Autora: Jerome David Salinger

ISBN-13: 9788587575012

Editora: Editora do Autor

Ano: 1951

Número de páginas: 208

Área principal: Romance, Autoajuda.

Classificação:     2 estrelas

Beijos

Até a próxima!

Anúncios

6 comentários em “Resenha: “O Apanhador no Campo de Centeio”, J. D. Salinger

  1. Primeiramente quero parabeniza-la pelo blog. É uma grande e prazerosa tarefa a leitura e a transmissão deste prazer é nobre e trabalhosa. Bem, sobre “O apanhador no campo de centeio”, livro publicado pela primeira vez no ano de 1945 é preciso destacar primeiro a inovação na linguagem e tema diante dos cânones literários e o escândalo que o livro provocou na época. Ainda é preciso lembrar que os EUA estão saindo de um período de depressão econômica e a sociedade ainda traz no “corpo” e “memória” as marcas desse período difícil.
    A atmosfera do livro é densa e estranha. De fato Holden Caulfield é um personagem esfacelado que sofre profundamente da sua solidão e da constatação de que cada vez mais se torna, para ele, instransponível o abismo para se comunicar com o mundo ao seu redor. Um mundo muitas vezes hostil e violento – com raras expressões de ternura e beleza, que aparecem muito raramente na figura de sua irmã ou em algumas lembranças que são constantemente desfeitas diante da realidade. Holden, talvez um filho de seu tempo. Confuso, indisposto, nauseado mas em busca de alguma autenticidade ou ainda de alguma “pureza”. Esta “pureza” que ele tenta a todo custo apanhar – e que se identifica para ele com a infância. Daí quando ele diz à sua irmã Phoebe: “ele se vê como o único guardião de inúmeras crianças correndo e brincando em um vasto campo de centeio na beira de um precipício. Seu trabalho é pegar as crianças se elas vagarem perto da beira – ele é o “apanhador no campo de centeio””. É um livro em que cada personagem evoca um mundo, um conflito. E todos esse conflitos se resultam numa “insolução”. Permanece o mal-estar, a náusea, a “doença” – presente não só nos jovens (fase de transição e conflito), mas sobretudo em uma sociedade e uma época em que os homens são fragmentos isolados de si mesmos, do outro e do mundo ao redor – em que as coisas emergem como valores em detrimento dos homens.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Muito obrigada Alison! É muito bom saber que alguém aprecia o nosso esforço e trabalho. Concordo com vc. Este livro foi uma revolução e um escândalo para a época em que foi escrito, mas não creio que esse foi o retrato da adolescência daquela época. Holden é apenas um jovem confuso e depressivo. É difícil compreender algo que não vivemos nos dias de hoje e achar este livro extraordinário para a atualidade. Acho que meu maior problema foi criar expectativas demais e por isso me decepcionei! =/

      Curtir

  2. Seu blog é lindo, parabéns. Sobre o livro preciso dizer que sou uma daquelas pessoas que tem imenso carinho por este livro, mas concordo com você em muitas coisas que abordou a respeito dele: Concordo que Holden é um adolescente, visivelmente confuso e depressivo e que chega a ser até mesmo maçante em alguns momentos, concordo que ele não represente todos os adolescentes, mas certamente representa muitos adolescentes. Realmente a atmosfera do livro é bastante caótica e nada agradavel, mas só entende de verdade a solidão de Holden quem vez ou outra já chorou sozinho num bar abandonado de madrugada, ou quem já perdeu um ente querido muito próximo como ele. Acho que o grande segredo do sucesso deste livro mesmo depois de tanto tempo é que muitas pessoas que o leram ( e nisso eu me incluo) em certa fase da vida, identificaram-se com Holden, sentiram as mesmas dores, e tiveram os mesmos questionamentos que ele. Bem ou mal Holden e seus dilemas deram voz a uma geração de desajustados/solitários e esse foi um grande marco literário.
    Dica: Se vc gostou da narrativa do autor, poderá gostar de conhecer outros trabalhos que ele publicoou. Os livros: Franny e Zooey e Carpinteiros levantem bem alto a cumeeira e Seymour uma apresentação muitas pessoas que assim como vc leram “o apanhador” mas não gostaram tanto, leram esses outros do Salinger e gostaram bastante.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Obrigada pela dica Shalon…vou procurar saber mais sobre esses livros que me indicou. Concordo com o que você falou…pra este livro ser um sucesso, creio que muitas pessoas se identificaram com a historia e com o personagem de Holden. Por isso vendeu tantas cópias e faz tanto sucesso até hoje. Em contrapartida acredito que parte desse sucesso também se deve ao caso do assassinato do Jhon Lennon. Depois desse acontecimento o livro vendeu muito mais do que anteriormente. É um fato triste saber que as pessoas leem porque “está na moda”.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s